Viajando com seu aparelho


Apesar da comercialização de cigarros eletrônicos ser proibida no Brasil, a propriedade e uso não são. Até algum tempo atrás os cigarros eletrônicos ainda não eram tão conhecidos e existiam situações de desinformação de agentes e fiscais em aeroportos, inclusive da própria Anvisa que determinou as regras, que chegavam até a confiscar aparelhos alegando proibição do uso e porte. Com o passar do tempo e com a informação acerca dos aparelhos mais difundida no Brasil, tanto fiscais quanto empresas aéreas e seus profissionais passaram a ter mais conhecimento sobre o assunto, passando a lidar muito melhor com essas situações e cumprindo normas mais corretas (e justas) para os vapers que viajam.

Hoje a própria ANAC já possui informações claras à respeito dos ecigs.

Como pode ver, a ANAC cita a proibição na comercialização e importação, porém permite o uso pessoal, o que acaba criando dois casos específicos para o viajante, separando a forma como as empresas aéreas e os agentes nos aeroportos lidam com viagens internacionais e viagens nacionais. 

Nas viagens internacionais existem chances consideráveis de você ter problemas. É quase certo que o agente irá identificar o objeto no raio-x da bagagem de mão e pedir para verificar. Se isso ocorrer, não haverão argumentos para impedir que lhe confisquem, inclusive aparelhos que já fossem seus antes de sair do Brasil, que você tenha levado para lhe acompanhar na viagem.

Nas viagens nacionais as coisas são mais tranquilas e os cigarros eletrônicos são permitidos, porém você deve seguir alguns cuidados: 

  • Lembre-se que apesar de ser muito menos prejudicial que o cigarro, ele é considerado uma forma de fumar, portanto não utilize seu ecig dentro de ambientes fechados, no terminal do aeroporto, na sala de embarque e principalmente dentro do avião;
  • A ANAC estipula que os aparelhos não devem ser despachados, devendo ser levados em sua bagagem de mão;
  • Baterias também devem ser carregadas na bagagem de mão e protegidas em uma caixa própria ou isoladas com algum material não condutivo, para evitar curtos e acidentes;
  • Lembre-se das regras quanto a líquidos para não perder seus juices. Em voos nacionais, a quantidade de líquidos na bagagem de mão não pode passar de 2 kg ou 2 litros – e a quantidade de cada frasco não pode ser maior do que 500 g ou 500 ml. Em voos internacionais existe restrição para o transporte de quaisquer líquidos e géis que estiverem em embalagens com mais de 100ml e o limite máximo de líquidos a ser transportado deve caber em uma embalagem plástica transparente de no máximo 1 litro com fechamento hermético (tipo ziplock). Todos os líquidos e géis devem estar acondicionados na embalagem plástica de forma a facilitar a inspeção pelo agente de proteção;

Se houver qualquer problema em vôos nacionais com algum fiscal ou agente querendo causar problemas, basta pedir que busquem a informação diretamente no site da ANAC como mostramos acima. E você ainda tem a Resolução de Diretoria Colegiada da Anvisa (RDC 46/2009) que determina as regras para cigarros eletrônicos no Brasil e apesar de proibir o comércio, ela não proíbe o uso nem o porte.