Como carregar suas baterias


Uma dúvida recorrente que surge nas mídias sociais é a melhor forma de carregar as baterias utilizadas nos mods e por ser uma questão de segurança, é imprescindível que tenhamos as informações corretas.

Vale relembrar que é preciso usar baterias recomendadas para o vapor e existem modelos que cabem nos aparelhos, mas apesar do formato ser compatível, suas capacidades não são, como baterias para lanternas ou aquelas retiradas de notebook. Temos um artigo bem completo que fala sobre isso neste link.

Também é preciso atentar ao tipo de química das baterias, mas se ficarmos limitados às baterias consideradas recomendadas pela comunidade, você não precisará se preocupar com isso, de qualquer forma, também temos um artigo que fala sobre tudo isso neste link.

Voltando ao assunto, para facilitar o entendimento da maneira correta de carregar as baterias dos mods e seguindo a tendência do momento, seguem as listas de informações “fakes” com as devidas explicações:

Baterias devem ser usadas até descarregadas e carregadas até estarem cheias para evitar ficarem “viciadas”


FAKE. Isso acontecia com baterias cujas químicas tinham o “efeito memória” como as de Níquel-Cádmio (Ni-CD) e as Níquel-hidreto Metálico (Ni-MH) entre outras. As baterias recomendadas para o vape não possuem esta característica sendo normalmente de Lítio-Ion. Lembrando que consideramos as baterias “descarregadas” quando os aparelhos informam que elas estão fracas. Se não houver controle de descarga, como usando em um mod mecânico por exemplo, é possível descarregá-las além de sua carga mínima que em média é de 3.2V. Abaixo de 2.5V há grandes chances de danifica-las internamente e abaixo de 2V há certeza de danos, portanto se estiver usando mods mecânicos, acompanhe a carga de suas baterias e se estiver usando mods regulados, aqueles com chip, não se preocupe que o aparelho vai controlar isso para você.

Não tem o menor problema em carregar diretamente no mod


FAKE. Existem muitos relatos de problemas com carregamentos feitos diretamente pelos mods, desde descarregar as baterias ao invés de carregá-las até pegarem fogo, não importando a marca ou modelo, portanto dizer que “não tem problema” é errado. O certo é dizer que “há um risco indefinido” e que “o menor risco” é usar um carregador externo.

Não quer dizer que você não possa carregar usando o seu mod, seja ele qual for, até porque inúmeras pessoas fazem isso há anos e nunca tiveram problemas, mas o risco sempre está lá. Logicamente que todas as empresas vão alegar que seus aparelhos carregam perfeitamente as baterias, mas a quantidade de relatos de problemas é suficiente para dizer que não é apenas uma falha pontual aqui e ali e realmente há um perigo.

Isso acontece porque os mods apesar de oferecerem carregamento, não foram feitos para esta função e normalmente possuem chips de controle com qualidade inferior aos carregadores específicos para isso. De todos os mods do mercado só se indica o carregamento pelos mods com chips DNA, feitos pela empresa Evolv LLC pois eles utilizam os chipsets de balanceamento de carga da Texas Instruments que são os mesmos usados pela marca Nitecore em seus carregadores externos, uma das mais conceituadas empresas fabricantes do setor.

Quando os mods utilizam 2 ou mais baterias a coisa fica exponencialmente mais complexa pois é preciso fazer o balanceamento delas, processo importantíssimo para segurança e vida útil de todo o sistema, também chamado de “casamento” de baterias e que você pode entender melhor o conceito através do nosso artigo neste link.

Portanto há uma troca inevitável entre a praticidade de carregar diretamente no mod e a maior segurança ao investir e utilizar um carregador externo, cabendo a você saber disso e tomar sua decisão.

É preciso carregar no máximo a 1A para garantir a segurança


FAKE. As baterias maiores partindo do nosso já comum modelo 18650 e indo até os modelos como o 21700 podem ser carregadas até 4A, porém existe uma balança entre velocidade de carregamento e vida útil da bateria. Quanto menor a velocidade de carga, maior será sua vida útil. Este é mais um motivo para o uso de carregadores externos de boa qualidade, pois eles fazem um controle melhor desta velocidade, criando uma curva de carregamento que começa de forma lenta, aumenta no meio do processo e volta a diminuir no final, otimizando a entrega de energia enquanto preserva ao máximo a vida útil da bateria.

Se você precisa escolher um número, carregar com 1A é um bom meio termo entre velocidade e preocupação com a vida útil, mas se estiver com pressa pode muito bem usar 2A sem problemas.

Não encontramos nenhum estudo específico que compare a perda relativa de vida útil de uma bateria carregada com 0.5A com outra a 2A, então pode ser que o ganho de tempo de vida útil possa ser irrelevante, a verdade é que simplesmente não sabemos, portanto sobra a você escolher entre velocidade ou vida útil.

Você pode usar aqueles carregadores “turbo” de celulares sem problemas


FAKE. Primeiro vamos entender que aquela caixinha que você gruda na tomada não é um “carregador” e sim um simples e singelo “regulador de tensão”. O carregador de verdade está dentro do aparelho que você está tentando carregar, é lá que existe um microchip que faz todo o trabalho de controlar a energia recebida, balancear, parar a carga quando está cheia, etc. Chamar a caixinha de carregador é compreensível já que a gente usa ela para carregar todo tipo de aparelho, mas na verdade a única coisa que aquilo faz é pegar a energia da parede e transformar em outro valor, sendo os mais comuns 5V, 9V ou até 12V, dependendo das características dela. Além da tensão em volts dentre outras coisas ela também possui uma valor de quantos amperes máximos ela pode entregar e isso varia normalmente de 0.5A, 1A e até 2A, mas há outros valores possíveis.

Sabendo disso, entenda que amperes não são empurrados, são puxados, isso quer dizer que mesmo que sua caixinha possa dar energia a um carro da Tesla, o seu mod vai puxar apenas o valor de amperes necessários, pois quem regula isso é o carregador propriamente dito que está dentro do aparelho, não ela.

O problema é que apesar dos amperes não serem enfiados goela abaixo do seu mod, os volts serão e muitas destas caixinhas chamadas de “carregadores turbo” possuem características que vão de 9V até 12V, muito mais do que os 5V indicados para os nossos vapes. Portanto fique atento às informações impressas e só use aquelas que tenham no máximo 5V. Quanto aos amperes, relembramos que 0.5A é mais lento, mas preservará mais sua bateria enquanto 1A é um bom equilíbrio entre velocidade e preservação da vida útil. 2A apenas para aqueles que tem pressa e não se importam de diminuir a vida útil das baterias no processo.

Tanto faz carregar pelo PC quanto pela parede


FAKE. Apesar de você poder usar qualquer um dos dois, há diferenças então não é “tanto faz”. Carregar na parede, como acabamos de ver no tópico acima, depende do tipo de “carregador” ou mais corretamente a caixinha reguladora de tensão que usarmos. Já no PC a diferença fica à cargo do tipo de porta USB utilizada. As portas padrão USB 1.0 e 2.0 vão entregar apenas 500mA (0.5A) o que é bem lento enquanto uma USB 3.0 vai entregar 900mA (0.9A), um pouco mais rápido. Já as novas USB 3.1 chamadas de SuperSpeed+ podem entregar de 1.5A até 3A, porém sempre a 5V então você estará seguro pois o mod vai puxar somente os amperes necessários.

O primo do vizinho do amigo do meu tio sempre fez tal coisa e nunca deu problema


FAKE. Canso de ver gente caindo de paraquedas nas publicações das pessoas só para dar aquela brilhante contribuição de sua experiência de vida dizendo “faço isso a X tempo e nunca aconteceu nenhum problema” como se isso fosse amostragem de alguma coisa. Não é porque as pessoas fazem algo e não encontram problemas que isso acontecerá com você também. É preciso saber o que está fazendo para aceitar os riscos.

Carregar em 2A é possível? Sim. Mas pode encurtar a vida da bateria. Muito? Ninguém pode dizer. Pode carregar direto no mod? Pode ser que sim, mas também pode ser também que não, não há como garantir.

Entenda os riscos e as vantagens que cada escolha traz e opte de forma consciente por uma delas.