Análise do juice La Catrina – Arriba Muchachos


E chegamos ao fim de nossa viagem pelos sabores que a Arriba Muchachos nos trouxe diretamente da cultura Mexicana para nossos atomizadores, desta vez falamos do juice La Catrina, uma combinação de menta com cereais de frutas.

Já fizemos a análise da marca Arriba Muchachos neste artigo e se quiser saber quais métodos utilizamos para nossas análises clique aqui.

Antes de começar devo fazer uma observação e dizer que recebi os juices de toda a linha da Arriba Muchachos há quase 1 ano atrás. Por causa de vários fatores acabei levando esse tempo para provar e analisar os sabores encaminhados e o La Catrina acabou ficando por último. Apesar do tempo passado, mantenho todos os meus juices devidamente acondicionados em geladeira e o La Catrina estava inclusive lacrado, então qualquer passagem do tempo foi amenizada por estes fatores.

Mesmo assim o fato é que provei o juice em um estado de extrema maturação então fui atrás do fabricante e conversei sobre o assunto, ao que tudo indica minha análise não está fora daquilo que o juice deveria representar, então tudo certo.

Apenas para título informativo, uma maturação “ideal” teoricamente é quando o fabricante oferece os produtos para venda, pois entendo que uma marca produza seus líquidos, espere que estejam maturados (normalmente 15 a 30 dias após fabricação, dependendo da receita) e só então os coloque à venda, sendo este o período ideal ou pelo menos próprio para consumo.

Costuma-se dizer que quanto mais maturados, melhor, mas chega um ponto em que há perda das moléculas de sabor e alteração do gosto, portanto provar um juice após tanto tempo pode haver diferença do que eu senti com o que você vai encontrar em um juice recém adquirido.

Eu não vaporo em grande quantidade, o vapor para mim é um hobby e não mais uma necessidade, então não raro tenho juices com mais de 1 ano de maturação (tenho até alguns com 2 anos) tanto comerciais quanto de fabricação própria e na maioria dos casos não notei nenhuma grande perda ou alteração de sabor mesmo após tanto tempo. Mas há sim exceções e tenho alguns exemplares que perderam força ou tiveram seus sabores modificados, em raros casos o sabor perdeu-se por completo.

Ao que tudo indica, o La Catrina não é um juice que perde seu sabor, sendo sua receita resistente ao tempo. Também aviso que não uso nicotina, então a oxidação natural da substância não foi um fator a considerar, apenas a maturação dos sabores.

Sabor e Vapor


Vamos à descrição oficial do juice:

La Catrina faz referência à sátira criada com as damas da alta sociedade mexicana, trazendo a harmonia perfeita entre o mentolado refrescante e cereais de frutas,o juice é uma combinação quase irônica entre a sensação gelada e o sabor dos cereais ao vaporar.

O aroma do juice é definido pelo mentol e curiosamente me lembra uma nota de refrigerante de limão, uma Sprite ou Soda Limonada, o que achei estranho pois não combina em nada com a descrição oficial, sendo anunciado o sabor de cereais de frutas. 

Ao vaporá-lo, como sempre acontece com os juices gelados, é essa sensação refrescante que define o juice, com uma aguda e bem definida nota cítrica como nota principal, inclusive com nuances que simulam um amargo que uma casca de limão provocaria em uma limonada, coisa que dá para perceber no final da tragada, ficando com esta sensação no fundo da garganta algum tempo após a vaporada. 

Não consigo perceber cereais na receita, se existem eles foram eclipsados pela menta e pela nota cítrica, então entendo que são mais aditivos e notas de correlação do que um sabor que devemos procurar no juice. Essa teoria ganha força quando levamos em consideração que eu já peguei comentários dispersos nos grupos de Whats App de pessoas que provaram o La Catrina e apesar de terem gostado, também não sentiram cereais na mistura, então a coisa não é só comigo.

No geral é um juice agradável, mas cuja descrição oficial acaba confundindo o que devemos esperar dele, pois é uma limonada (diga-se de passagem muito parecida com a bebida real), mas que não tem nada de cereais.

De acordo com a marca, foi utilizada uma combinação de 50% VG e 50% PG e eu não sou muito a favor deste blend, acho que perde-se muita produção de vapor e não se ganha tanto em propagação de sabor.

Experiência e conclusão


Não posso garantir que o juice que eu analisei seja o mesmo produto que a Arriba Muchachos tem a oferecer em sua linha pois a maturação é um processo muitas vezes imprevisível que pode gerar resultados diversos. Diante dessa fato me adiantei e conversei com o fabricante, este que me garantiu que minha percepção estava compatível com a receita, somado isso à relatos esparsos que eu pude coletar, tudo indica que apesar da maturação, o juice que eu experimentei é o La Catrina com tudo o que ele tem a oferecer, podendo no máximo ter perdido um pouco de seu poder de sabor, mas não os sabores que realmente representa.

Sendo assim, para o bem ou para o mal, La Catrina é um juice de limonada e que de todos os juices de limão que eu já experimentei, é um dos melhores e mais fiéis ao sabor da bebida de verdade. Não há sabores complexos, não há nuances exóticos, é cítrico e é refrescante, inclusive com direito àquele amarguinho da casca do limão no final da tragada.