Análise do juice Dark Tennessee – BR Liquid


Revisitando os juices da BRliquid hoje falamos do Dark Tennessee um juice de tabaco levemente doce com um toque refrescante.

Já falamos em detalhes sobre a BRLiquid neste artigo e se quiser saber quais métodos utilizamos para nossas análises clique aqui.

Sabor e Vapor


Vamos primeiro à descrição oficial do juice:

O Estado do Tennessee já fez parte do atual Estado da Carolina do Norte e era a região mais ocidental das antigas Treze Colônias britânicas.
O cognome do Tennessee é The Volunteer State – O Estado dos Voluntários. Isto deve-se ao espírito militar da população do estado. Durante a Guerra Civil dos Estados Unidos, foram realizadas mais batalhas no Tennessee do que em qualquer outro estado norte-americano, com exceção da Virgínia.
Uma de suas principais fontes de renda é o plantio do tabaco. 
Embalamos DARK TENNESSEE com a tradição das fazendas de tabaco do local, junto de especiarias e ingredientes exóticos que formam um juice de sabor único, levemente adocicado, com um toque refrescante, diferente de tudo que já experimentou.

Tive que fazer um certo esforço para tentar encontrar um comparativo adequado para descrever o Dark Tennessee, eu sabia que me lembrava algo eu havia experimentado há muito tempo atrás, mais uma sensação do que um produto ou alguma coisa específica, mas não conseguia identificar. Como as provas para as análises ocorrem ao longo de um período, tive tempo e durante as várias provas deste juice, consegui puxar pela memória e acredito que eu tenha encontrado algo que defina muito bem o juice. Você já entrou em uma loja daquelas que vendem produtos para Umbanda e Candomblé, cheia de figuras de santos e todo tipo de artigos diversos? Se a resposta é sim, você lembrará que estas lojas costumam vender um produto específico que detém um aroma muito característico, que nada tem a ver com religião. É o fumo de corda. 

Fumo de corda, fumo crioulo ou ainda fumo de rolo é um tabaco torcido e enrolado usado para fazer cigarros de palha, mas também é possível consumi-lo mascando. Apesar de depender do tipo de tabaco e da forma como ele é feito, a maioria deles possui um aroma adocicado, pungente, floral e melado, para muitos enjoativo e forte demais, motivo pelo qual eu nunca experimentei esse tipo de fumo. Mas não se assuste, Dark Tennessee é a versão suave e equilibrada do fumo de corda.

Se o sabor acompanhar o aroma que o fumo de corda tem em minha memória em apenas uma fração, provavelmente o sabor deve também ser bem doce, úmido e floral. Mas o Dark Tennessee também não o acompanha neste sentido, sendo uma versão “light” e “bom para todos” do fumo de corda, um tabaco leve e fora da curva de tabacos explorados por outras marcas como os puramente terrosos, os adocicados e com mel, os “nutty” e secos ou os tabacos puramente florais e ácidos. Dark Tennessee é outra coisa, um quinto elemento por assim dizer.

O sabor é definido por um tabaco floral ameno e levemente doce e úmido, mas que não consigo encontrar um comparativo em outro produto e confesso que sequer imagino que essência foi usada para criar a receita, o que modéstia à parte costumo ter uma boa ideia quando faço uma análise já que provei muita coisa. 

O tabaco se mistura com uma nota verde de menta ou hortelã que no final da vaporada é acompanhada por uma leve refrescância sentida principalmente nos lábios, que não torna nem de longe este juice “mentolado”, é apenas uma leve entonação, muito bem vinda e que casa perfeitamente com o sabor como um todo.

Como em todos os líquidos da BR Liquid até hoje não encontrei informação sobre o blend (nem no distribuidor nem no site do fabricante) mas pela produção de vapor especulo algo entre 60% a 70% de VG.

Experiência e conclusão


Dark Tennessee é um tabaco diferente, que não lembra cigarro, nem charuto, tampouco cachimbo, portanto não é um juice para quem quer largar os cigarros, mas com certeza é um juice para quem gosta de um tabaco fora do comum e quem sente saudades de um fumo de corda, que é a coisa mais próxima possível que posso comparar e puramente pela minha memória de muitos anos atrás de algo que só senti o cheiro e nunca provei realmente.

Eu não gosto de dizer em minhas análises que “gostei” ou “não gostei” e sei que às vezes sou repetitivo quanto a isso, mas acredito que não importa se eu gostei ou não, minha tarefa aqui é descrever o que senti no juice e deixar que você decida se isso serve ou não para você tomar a decisão de prová-lo. Só que dessa vez eu não consigo deixar de dizer que dentre tantos tabacos excelentes que já provei, Dark Tennessee é um dos que mais gostei e um dos poucos que eu não consigo comparar com mais nada, portanto é algo que você deve experimentar para ver se não está perdendo um favorito.

É floral sem ser ácido, é doce sem ser melado, é refrescante sem ser mentolado, é um monte de coisa e não é outras tantas, mas é com certeza um tabaco a se provar.